A Diocese de Santo André

A Di­o­cese de Santo An­dré foi cri­ada pelo Papa Pio XII em 22 de ju­lho de 1954, des­mem­brada to­tal­mente da Ar­qui­di­o­cese de São Paulo. A sua ins­ta­la­ção e posse do pri­meiro bispo, Dom Jorge Mar­cos de Oli­veira, acon­te­ceu em 12 de se­tem­bro de 1954, na Praça da Ca­te­dral Nossa Se­nhora do Carmo. O pa­dro­eiro da Di­o­cese é o Após­tolo Santo An­dré e da Igreja Ca­te­dral Nossa Se­nhora do Carmo.

A re­gião ge­o­grá­fica da di­o­cese é co­nhe­cida como Grande ABC Pau­lista. Seu ter­ri­tó­rio é for­mado por sete ci­da­des: Santo An­dré, São Ber­nardo do Campo, São Ca­e­tano do Sul, Di­a­dema, Mauá, Ri­bei­rão Pi­res e Rio Grande da Serra. Nos seus pri­mei­ros anos, nossa Igreja Par­ti­cu­lar era com­posta pela in­dus­tri­a­li­za­ção. Pró­xima a Ro­do­via An­chi­eta, que liga o pla­nalto me­tro­po­li­tano com o li­to­ral, as ci­da­des aco­lhe­ram a in­dús­tria au­to­mo­bi­lís­tica e vá­rias ou­tras re­a­li­da­des in­dus­tri­ais, tornando-se o maior polo in­dus­trial da Amé­rica La­tina. Aco­lheu muito imi­gran­tes e vá­rios mi­gran­tes, os tra­ba­lha­do­res de on­tem e de hoje.

Mesmo di­ante do rá­pido de­sen­vol­vi­mento, a massa tra­ba­lha­dora era mar­cada pela de­si­gual­dade so­cial. Logo sur­gi­ram as pri­mei­ras fa­ve­las e pro­ble­mas den­tro e fora das fá­bri­cas. A ação da Igreja, sua pre­sença junto do povo, foi o grande si­nal do nosso com­pro­misso de fé e vida. O pri­meiro bispo, Dom Jorge Mar­cos, fi­cou co­nhe­cido como o bispo dos ope­rá­rios, pela sua pre­o­cu­pa­ção e sen­si­bi­li­dade com os tra­ba­lha­do­res, que nos pri­mei­ros vinte e cinco anos da di­o­cese for­ma­vam 80% da po­pu­la­ção.

A Di­o­cese, que no iní­cio ti­nha 320.000 ha­bi­tan­tes e 16 pa­ró­quias, em 1975 so­mava 1.500.000 ha­bi­tan­tes e 74 pa­ró­quias. Por mo­tivo de saúde, Dom Jorge re­nun­cia o ofí­cio de bispo di­o­ce­sano e toma posse dessa mis­são Dom Cláu­dio Hum­mes, OFM, que con­ti­nua o pro­cesso de evan­ge­li­za­ção da igreja junto com o povo.

Tanto Dom Jorge como Dom Cláu­dio so­fre­ram com os di­o­ce­sa­nos os du­ros anos da di­ta­dura mi­li­tar (1964 – 1985). Fi­cou gra­vada na me­mó­ria da re­gião e de todo o Bra­sil a pre­sença so­li­dá­ria da Igreja com os tra­ba­lha­do­res, as apli­ca­ções do Con­cí­lio Va­ti­cano II, que con­vo­cou toda a Igreja a ser po­bre e pro­fé­tica. Vá­rios pres­bí­te­ros e fiéis, ani­ma­dos pe­los pas­to­res, se en­vol­ve­ram na luta pela re­de­mo­cra­ti­za­ção do país. As fa­mo­sas gre­ves de 1978, 1979 e 1980 são mar­cos com o com­pro­me­ti­mento da Igreja com o Reino de Deus e com a li­ber­dade.

A ação pas­to­ral de nossa Di­o­cese é mar­cada pelo de­sejo de re­no­va­ção desde a sua fun­da­ção. Po­de­mos fa­lar do pro­ta­go­nismo da nossa ju­ven­tude da Ação Ca­tó­lica, prin­ci­pal­mente com a Ju­ven­tude Ope­rá­ria e a Ju­ven­tude Uni­ver­si­tá­ria Ca­tó­lica. Com o grande acon­te­ci­mento do Con­cí­lio, intensificou-se a for­ma­ção do lai­cato, o sur­gi­mento das Co­mu­ni­da­des Ecle­si­ais de Base e a Pas­to­ral Ope­rá­ria.

Os pla­nos di­o­ce­sa­nos de pas­to­ral, a ca­te­quese re­no­vada, a pre­sença junto às fa­mí­lias, o pro­ta­go­nismo da ju­ven­tude, ali­menta a nossa es­pe­rança no anún­cio do Evan­ge­lho. Pas­sa­dos o pri­meiro e o se­gundo bispo, a re­a­li­dade da di­o­cese passa de in­dus­trial para co­mer­cial. Chega no ABC o sau­doso Dom Dé­cio Pe­reira, que go­ver­nou a di­o­cese de 1997 a 2003, ani­mando nosso es­pí­rito mis­si­o­ná­rio e introduzindo-nos no ter­ceiro mi­lê­nio da era cristã.

Dom Nel­son Wes­trupp, SCJ, to­mou posse em 30 de no­vem­bro de 2003, animando-nos na pas­to­ral de con­junto em co­mu­nhão com a Igreja no Bra­sil. Edi­fi­cou o grande edifício-sede da Mi­tra Di­o­ce­sana, si­nal do com­pro­misso de nos­sas 99 pa­ró­quias e 246 co­mu­ni­da­des em evan­ge­li­zar com ver­da­deiro ar­dor mis­si­o­ná­rio, ins­pi­ra­dos no Do­cu­mento de Apa­re­cida.

Dom Pe­dro Car­los Ci­pol­lini, nosso atual bispo to­mou posse em 26 de ju­lho de 2015 e com seu jeito afe­tu­oso e ca­ti­vante está “em nome de Je­sus” evan­ge­li­zando o grande ABC Pau­lista.

Nos­sas ci­da­des são muito po­pu­lo­sas. Hoje so­mos quase três mi­lhões de ha­bi­tan­tes com forte pre­sença ca­tó­lica. Do cen­tro à pe­ri­fe­ria pro­cu­ra­mos criar um diá­logo para a pro­mo­ção da dig­ni­dade da pes­soa hu­mana, ali­cer­ça­dos na so­li­da­ri­e­dade e na ca­ri­dade pas­to­ral. Mui­tas são as ini­ci­a­ti­vas so­ci­ais da di­o­cese para for­mar jo­vens e cri­an­ças, pro­mo­ver a par­ti­lha e edu­car para a jus­tiça.

En­tre as ci­da­des das ca­sas e dos cres­cen­tes con­do­mí­nios, vis­lum­bra­mos ainda a be­leza na­tu­ral da Mata Atlân­tica no Alto da Serra, na his­tó­rica vila fer­ro­viá­ria de Pa­ra­na­pi­a­caba, onde es­ti­ve­ram os mis­si­o­ná­rios car­lis­tas dando ori­gem a uma pre­sença mais atu­ante da Igreja no ABC. A re­presa Bil­lings, mesmo so­frendo com a po­lui­ção, ainda mos­tra sua be­leza à ca­mi­nho do li­to­ral sul do Es­tado.

Na área da edu­ca­ção, mui­tos cen­tros uni­ver­si­tá­rios vem se ins­ta­lando na re­gião, as­sim como a Uni­ver­si­dade Fe­de­ral do ABC. Sa­be­mos que em ques­tão de saúde, se­gu­rança e edu­ca­ção, em­bora muito te­nha sido re­a­li­zado, pre­ci­sa­mos nos de­sen­vol­ver para me­lho­rar re­al­mente a vida das pes­soas.

O grande ABC, porta his­tó­rica para o je­suí­tas che­ga­rem a me­tró­pole de São Paulo, é uma igreja viva, aco­lhe­dora, que busca sem­pre mais dar ra­zões à sua fé, renovando-se sem­pre para manter-se em cons­tante es­tado de mis­são, ani­mando às fu­tu­ras ge­ra­ções para as­su­mi­rem seu ba­tismo com ale­gria e anun­ci­a­rem o Evan­ge­lho rumo ao Reino de­fi­ni­tivo.

Texto: Pe. Fe­lipe Cosme So­bri­nho

Fonte: diocesesa.org.br



COMPARTILHE ESTA PAGINA


   
 
Projeto Entre Irmãos

Incrições abertas para o Congresso Estadual da RCC São Paulo

Semana Sentinelas da Manhã

V Congresso Jovem – Uma nova geração de carismáticos
 
 
Projeto Entre Irmãos

Encontro para Universitários

Formação para Ministros de Louvor

O que é a “ideologia do gênero ?
 
 
Cura através da Eucaristia

Cura no relacionamento Familiar

Testemunho de Cura de geração

Missão Nossa Vocação